April 22, 2019

Please reload

Posts Recentes

O SNOWDEN É A ÚNICA VISITA VIVA QUE APARECE

August 6, 2020

1/7
Please reload

Posts Em Destaque

EPITÁFIO PARA O TACO

March 28, 2011

 

Vitor estava na casa de seus pais mais uma vez, lembrou-se que foi exatamente ali que começou a escrever seu blog quando não tinha nada melhor pra fazer, com seu sobrinho ao seu lado lhe importunando e algo de podre passando na televisão.

 

Pensou em tudo o que havia mudado desde então, em como tudo estava tão diferente e de cabeça pra baixo nos dias de hoje em comparação com aquela época.

 

Ontem o monitor do seu computador havia quebrado, pegou o seu taco de beisebol e foi quebrar o maldito como era de praxe. Sempre que algo quebrava, Vitor pegava aquele taco e terminava de arrebentar o objeto, aliviava a tensão, relaxava. Lembrou-se de quando jogava beisebol com seu primo Giorgio, que estava morto agora, no quintal enorme da sua casa quando era criança. Lembrou-se de quando seus pais mudaram de casa, aqueles corredores enormes vazios, ele e Walter arremessando fitas VHS velhas e rebatendo com o taco. Mas hoje tudo foi diferente, seu taco perdeu sua primeira batalha, foi de encontro ao vidro grosso de um monitor velho que ele conheceu seu derradeiro fim, sua morte. O taco quebrou-se em dois, Vitor chorou, olhou para o seu antigo companheiro e percebeu que aconteceu a mesma coisa com seus sonhos, com sua vida, quebrada em dois, estilhaçada com farpas de madeiras por todos os lados.

 

Em uma tarde de domingo ele e o primo ficaram no terreno vizinho desmatando uma selva, imitando Indiana Jones, tudo para achar uma bola que foi perdida por lá. Lembrou-se de que no passado tinha o sonho de jogar na MLB, mas quando amadureceu percebeu que vivia no país do futebol e isso nunca ia acontecer. “Nasceu no país errado”, diziam para ele, até que um dia ele acreditou. Acompanhava todos os anos o campeonato americano, mesmo que seu time tenha ganhado o campeonato pela última vez em 1998. “Go Tribe!” gritava ele vibrando sempre acreditando no seu time até o final.

 

Vitor queria escrever um bom epitáfio para o taco, mas não conseguia pensar em nada, não bebia nada há 96 horas e apagava tudo o que digitava com a mesma intensidade que seus lábios ficavam secos.

 

Amanhã iria comprar outro monitor, colar o taco com cola de madeira, mesmo sabendo que ele nunca mais seria usado para estraçalhar outra coisa, mas ainda ficaria ao seu lado, mesmo quebrado, mesmo partido e errado como estava. Afinal era o seu taco, seu companheiro de jogos, de quebrar coisas, não era porque estava inválido que ele iria abandoná-lo agora.

 

"Deus, como amava aquele taco".

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square