A PÁGINA EM BRANCO


Será que toda página em branco incomoda os escritores como incomoda a mim?


Posso ficar horas em frente a uma delas, encarando-a e me sentindo incomodado, querendo preenche-la. É um problema quando nada vem à mente, nem uma ideia sequer. Quero escrever, algo interessante, algo que venha do meu íntimo, mas só vem rabiscos, desenhos e coisas sem sentido.


Coço a barba, tomo meu Gim Tônica e quero preenche-la com qualquer coisa, não importa se seja boa como Joyce ou ruim como Cury. Só quero vê-la preenchida. Divagar sobre coisas corriqueiras ou imaginar o futuro da humanidade, me embrenhar em terrenos nunca antes desbravados ou qualquer outra merda que venha a cabeça.


Mas a página continua em branco.


Nenhuma idéia passa pela minha cabeça, me sinto anestesiado pela bebida, o que é estranho já que a bebida sempre costuma a ser o fruto das minhas idéias.


Começo a pensar se existiu algum escritor famoso nascido em minha cidade, muitos diriam que estou ficando senil. Como pude esquecer-me de Hilda Hilst? Mas sinto informar, Hilda Hilst nasceu em Jaú como muitos desconhecem.


Quem sabe não sou eu o escolhido?


Como um pedaço de frango pra tentar tirar o efeito do álcool do meu sangue, mas é tudo em vão, os remédios e as bebidas se misturaram já há muito tempo no meu organismo, no meu sangue, no meu cérebro, no meu metabolismo. Tudo roda a minha volta, vejo ninfas dançando um sapateado irlandês em cima e dentro do meu aquário. Leprechauns invadem o apartamento e logo estupram as ninfas com o som do The Pogues tocando ao fundo. As pobrezinhas ficam lá arfando depois que eles se vão.


Dou risada, a página ficou quase toda cheia no final das contas. Me sirvo de mais um pouco de bebida e vou assistir a alguma putaria em DVD.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2017 by Me Leve Para Longe

  • Twitter Classic
  • Facebook Classic