April 22, 2019

October 9, 2018

August 22, 2018

August 6, 2018

Please reload

Posts Recentes

EU GOSTO DA EUROPA E A EUROPA GOSTA DE MIM

June 30, 2019

1/9
Please reload

Posts Em Destaque

O HOMEM, A MOSCA E OS ÁTOMOS DE UM ELEFANTE

March 15, 2017

 

Há moscas somente no subterrâneo, pois no Edifício não há nenhuma outra forma de vida que não seja humana. Animais são vistos e reconhecidos somente por causa dos sonhos com o Mundo Posterior.

 

Em um sonho um homem está sentado no banheiro cagando enquanto olha uma mosca no azulejo ao lado do seu dedão do pé. E ele se sente igual a mosca. Não há diferença nenhuma entre o homem sentado na privada e aquela mosca ao lado do seu dedão, para o universo eles são tão pequenos e insignificantes que poderiam ser um só. Na ordem das coisas não alteram nada. São nada. Pó. Ínfimos átomos de um elefante.

 

Como processar este pensamento sem nunca ter visto um elefante? Como mensurar o sonho vivendo no Edifício? Como entender o azul do céu olhando para o concreto? Como entender o cheiro do mato após uma chuva vivendo em um ambiente onde o ar é parado, impregnado pelo cheiro de poeira e sem vento? Ferzan entende, mas de nada adianta para ele entender estas coisas, pois sente medo de fazer algo a respeito e a vontade de se movimentar em direção a algo lhe deixa com a alma morta.

 

Tem horas que tem vontade de arrancar o coração e ir para o obscuro subterrâneo viver com outros que devem ter sentido algo como ele. Sente que não há fuga, sente que não há o que fazer, quando tudo o que queria era sentir o vento lhe batendo na cara, o cheiro de terra molhada entrando nas narinas. Livre!

 

Liberdade não é seguir sonhos, mas dar valor para o que se tem. Ferzan não tem nada. Ferzan sabe demais em um mundo controlado por Duendes Mecânicos. Tem medo. Vive fingindo ser quem não é. Queria conhecer outros como ele.

 

Já tentou morrer como as pessoas do Mundo Posterior, mas sempre acorda intacto no dia seguinte. Parou de tentar e aceitou sua situação após arrancar o braço, desmaiou, no dia seguinte estava intacto.

 

Malditos Duendes Mecânicos!

 

Não deixam ninguém morrer, não deixam ninguém viver. Pobre Ferzan, mal sabe ele que por aqui é assim também.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags