MAIS FÁCIL TEU CU!


E então se passaram 20 anos, duas décadas... um tempão! Tempo pra cacete!


Lembro que me disseram que com o tempo ficava mais fácil, mais fácil teu cu, a dor é a mesma, a falta é a mesma, o vazio que ficou continua ali, sem preenchimento nenhum. O mais engraçado é que nem lembrei que era hoje, passou batido, mas mesmo assim tinha falado dele hoje, no trabalho. Ele sempre é assunto, não importa quanto tempo passe vai estar sempre ali, na minha memória, nos meus assuntos, na minha vida.


Os olhos escuros, quase pretos, difícil de distinguir as pupilas, iguais aos meus... a semelhança física para por aí... alto, gordo, careca (to chegando lá), orelhudo (opa, não é que a semelhança não parou por ali), aquele jeito irlandês alegre com um copo de cerveja celebrando qualquer bobagem que a vida mandava...


Lembro-me da sua voz e dos abraços, o que não daria hoje por um daqueles abraços? Um braço? Uma perna? Um olho?


A gente sobrevive à morte dos nossos, mas isso não significa que nos habituamos, que fica mais fácil, que com o tempo a dor vai embora... ela continua ali, a gente pode até não pensar nela, mas se pararmos pra dizer um “olá” a gente chora que nem criancinha de novo, como se estivesse lá atrás... 20 anos!


Se eu fosse metade do homem que ele foi... com seus enormes defeitos, com suas pisadas de bolas, com seus arrependimentos, tristezas e aquele enorme coração que o tornava único. Hoje consigo perceber em quantas coisas éramos diferentes e mesmo assim continuo a amá-lo do mesmo jeito. Com seus erros e acertos, será sempre um exemplo.


Ao longo do meu caminho, errei como ele, acertei como ele...


Obrigado, por tudo, mesmo.


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2017 by Me Leve Para Longe

  • Twitter Classic
  • Facebook Classic