April 22, 2019

October 9, 2018

August 22, 2018

August 6, 2018

Please reload

Posts Recentes

EU GOSTO DA EUROPA E A EUROPA GOSTA DE MIM

June 30, 2019

1/9
Please reload

Posts Em Destaque

DIVAGAÇÕES SOBRE A DESCENDÊNCIA

July 25, 2012

 

Eu acordo de manhã e vejo Rachel dormindo ao meu lado, estamos casados há exatamente cinco anos, não consigo me cansar de observá-la enquanto dorme. Posso ficar assim durante horas. Ela acorda, abre os olhos lentamente e me da um sorriso.

 

- Ela já acordou?

 

Não faço a mínima idéia do que ela está falando.

 

Seu rosto começa a se desfazer e dar lugar para as infinitas estrelas no fundo preto que é o universo. Já comecei a sonhar acordado.

 

Não é sono nem cansaço, mas um efeito colateral do desespero. Apesar de estar flutuando em um espaço gigantesco estou tendo espasmos claustrofóbicos por causa da roupa. Sinto frio durante alguns minutos e logo depois sinto calor e vontade de ficar pelado. Tento me manter controlado, mas é cada vez mais difícil.

 

- Quem já acordou? – eu respondo – do que você está falando?

 

- Danika – ela responde – nossa filha?

 

- Nossa filha?

 

Eu não tenho uma filha ou um filho ou qualquer tipo de descendência. Tudo o que eu fiz, termina em mim.

 

Porque isto me incomoda agora?

 

Pra que colocar uma criança em um mundo caindo aos pedaços?

 

Colocamos nossos sonhos que não se realizaram, nossos desejos não consumidos e nossas expectativas inalcançáveis em crianças que nada tem haver com tudo isso. Somos monstros escondidos nos armários de nossos filhos.

 

Tento voltar ao sonho acordado sem sucesso. O rosto de Rachel se desfaz com o brilho das estrelas e tento imaginar porque nossa filha chamava Danika. Como ela seria?

 

Um sentimento egoísta invade meu peito e penso que deveria ter tido uma filha, mas tento pensar em uma razão lógica para ter tomado este passo em minha vida e nada vem a minha mente. Não existe um motivo.

 

Somos produtos de uma sociedade depravada com sonhos que nossos pais enfiam em nossos cérebros. Não que eu esteja reclamando. Mas creio que não seja muito saudável para ninguém crescer assim e talvez seja por este motivo que somos tão pouco suscetíveis as frustrações da vida. Uma criança que nascia nos primórdios da humanidade não tinha escolha, ela teria que ser um caçador para poder alimentar sua família, ponto, fim de história. Opções demais estragaram como as coisas deveriam ser.

 

- Você está passando bem? – ela pergunta colocando a mão na minha testa para medir a temperatura.

 

- Sim – eu respondo segurando sua mão – só gostaria que você descrevesse nossa filha para mim.

 

- Bagunceira, brincalhona, cabelo preto e curto...

 

- Não consigo te ouvir – eu digo tentando prestar atenção no sonho.

 

- Organizada, emburrada, cabelo longo e loiro...

 

Estou perdendo o foco, por um momento acho que vou desmaiar, mas acordo repentinamente com a adrenalina a mil por causa de uma luz forte vindo da estação espacial ao longe... Ela pisca... Código Morse... Estão me mandando um sinal!

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags