April 22, 2019

October 9, 2018

August 22, 2018

August 6, 2018

Please reload

Posts Recentes

EU GOSTO DA EUROPA E A EUROPA GOSTA DE MIM

June 30, 2019

1/9
Please reload

Posts Em Destaque

R.E.M.

February 11, 2015

 

“Todos os meus ídolos morreram de overdose” disse uma amiga de Vitor e Jorge certa vez, estavam em um bar e era tarde da noite. Vitor e Jorge se entreolharam, pensaram e Jorge falou:

 

- Os meus estão vivos e são tudo viado!

 

- Um brinde a isso – disse Vitor batendo o copo no do amigo.

 

Agora os dois amigos estavam lá no Rock in Rio III para ver a atração principal, um dos shows mais esperados durante grande parte da vida musical de Vitor. O R.E.M. finalmente estava vindo fazer um show no Brasil.

 

Michael Stipe havia assumido a homossexualidade fazia pouco tempo, entrou no palco com uma maquiagem azul cantando Finest Worksong. Aquele show era um sonho. O terceiro álbum que Vitor havia comprado na vida era o Monster do R.E.M., álbum que foi escutado compulsivamente durante muito tempo, um amigo pegou emprestado certa vez e sumiu, nunca mais viu o álbum ou o “amigo”.

 

Ele e Jorge estavam próximos à grade, não sabia mais onde seu primo Giorgio e a namorada estavam. A turnê era do álbum Up, com excelentes músicas, a primeira que eles tocaram do novo álbum no show foi Daysleeper e emendaram em The Great Beyond, que era uma música que gravaram para um filme com o Jim Carrey.

 

Michael Stipe se aproximou da grade e a mão de Vitor passou raspando na careca dele, quase consegue lhe acertar um tapão, por um triz. Ficou chateado pela chance desperdiçada.

 

O show durou 16 músicas, finalizaram com Man on The Moon, mas não podia ter acabado, faltava o bis. Voltaram tocando Everybody Hurts, a música mais sentimental de toda a história da música. Vitor chegava a chorar quando ouvia esta música de vez em quando. Foi realmente emocionante ouvi-la ao vivo.

 

'Cause everybodyhurts

Takecomfort in yourfriends

Everybodyhurts

Don'tthrowyour hand, oh, no

Don't throw your hand

If you feel like you're alone

No, no, no, you're not alone

 

Seguiu-se tocando Pop Song 89 e finalizaram com a melhor de todas: It’s The End of the World as We Know It (And I Feel Fine). Vitor tentou decorar esta música certa vez, colocava no repeat do discman que ficava ao lado de sua cama e dormia ouvindo ela centenas de vezes. No ano seguinte quando reencontrou Elize chegou a conseguir cantar a música quase sem erros, detalhe para o “quase”.

 

Na hora de ir embora Vitor e Jorge erraram o ponto de encontro, que era mais pra cima. Giorgio e Edith ficaram esperando no lugar certo um bom tempo, até que Jorge se tocou que eles estavam no lugar errado e foram correndo encontrar o primo de Vitor e sua namorada. Edith tinha que trabalhar no dia seguinte e estavam atrasados para chegar até a rodoviária de ônibus. Pegaram um taxi que pagaram uma fortuna e chegaram em tempo. Giorgio e Edith foram no andar de baixo no ônibus que era leito, Jorge e Vitor foram em cima onde era mais barato e pros “pobre”.

 

O ar condicionado estava forte pra caralho, Vitor não se lembra de ter passado tanto frio na vida, nem quando dormiu perto de um rio marcando menos nove graus quando morou na Itália. Pensava em abraçar Jorge enquanto Jorge pensava em abraçar Vitor. O frio era insuportável, sentia que uma estalactite crescia na ponta de seu nariz. Quando saíram do ônibus agradeceu pelo calor insuportável que fazia lá fora.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags