BUSH


Vitor começou a escutar Bush desde que lançaram seu primeiro álbum, Sixteen Stone, comprou o CD em uma loja que vendia várias coisas importadas de bandas de rock. Eles não estouraram no Brasil até que lançassem o segundo álbum, Razorblade Suitcase, foi quando a banda veio fazer um show e Vitor com certeza estaria lá.


Marcel não era um grande fã da banda e resolveu não ir. Bush era uma banda inglesa que talvez fosse o último suspiro do grunge para Vitor. “Banda inglesa fazendo grunge?” – pensava Marcel – “Não dá muito certo isso!”.


Vitor decidiu ir sozinho.


Um dia antes o David Bowie havia tocado em São Paulo em um festival patrocinado por uma pasta de dente, mas nesta época Vitor não levava a música tão a sério. Se arrependeria pelo resto da vida por ter preferido ir ao show do Bush. David Bowie viria a se tornar seu cantor preferido anos mais tarde.


Conheceu um pessoal assim que chegou. Um cara da idade dele e uma garota uns sete anos mais velha. Era o dia 10 de Novembro de 1997 e a garota mais velha havia assistido ao show do David Bowie.


- Fui ontem no show do Bowie – falou ela toda orgulhosa.


- Grandes merdas ir no show do Bowie – replicou Vitor – depois todo mundo que gosta do Bowie é viado mesmo.


- Bowie foi o cara mais importante pro rock na minha opinião – disse a garota rindo e levando o comentário na esportiva.


A verdade é que Vitor era um homofóbico babaca criado por uma sociedade preconceituosa nesta época. Foi só depois de muito tempo que conseguiu deixar seus preconceitos e valores retrógrados pra trás graças a um vizinho homossexual que conseguiu fazer com que Vitor finalmente abraçasse a literatura como o maior sentido de sua vida.


A banda finalmente entrou no palco e Vitor estava relativamente bem próximo da grade de segurança. As garotas soltaram gritinhos histéricos por causa do Gavin Rossdale, vocalista e guitarrista que era tido como o galã do rock do momento.


O melhor momento do show foi quando começaram a tocar Little Things:

going up

when coming down

scratch away

it's the little things that kill

tearing at my brains again

the little things that kill

the little things that kill

Gavin Rossdale chegou próximo a grade com sua guitarra e uma multidão puxou ele pela roupa, gruitarra e até pelo cabelo. Vitor pulou para próximo da grade e segurou bem firme na guitarra dele. Gavin ficou meio assustado, mas logo todos o soltaram, menos Vitor.


- Fuck Off! - disse o líder da banda.


-Dá essa porra de guitarra – gritava Vitor se divertindo como nunca – eu quero a porra da sua guitarra!


-Son of a bitch!


-Dá a guitarra!


Gavin tentou dar um chute em Vitor, mas seu pé bateu na grade. Os seguranças ficaram um tempo sem reação e vieram tentar ajudá-lo. Vitor queria a guitarra a qualquer custo.


Por fim Vitor teve que largar a guitarra e a música continuou depois de um tempo de improviso do resto da banda.


As pessoas arrastaram Vitor para longe da grade, algumas estavam rindo da situação, outras estavam com raiva porque a música havia parado e outras aplaudiam Vitor como um autentico grunge encrenqueiro dos anos 90.


Acabando o show Vitor comprou uma camiseta. Foi a primeira camiseta de turnê que Vitor comprou, ele a mantém guardada no armário até hoje.


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2017 by Me Leve Para Longe

  • Twitter Classic
  • Facebook Classic